segunda-feira, 21 de setembro de 2009

Ser dependente causa dependência (?!?)

Vamu lá, crente...cê não tem opinião??
Então deixe um comentário no final do post, ok?



post criado em 18/10/2008



A relação Pastor/Ovelha pode ser uma perigosa via de mão dupla na minha opinião…eu disse na MINHA opinião:
1 – Pode ser algo extremamente terapêutico, benéfico e agradável
Tal como foram os relacionamentos que o Senhor Jesus estabeleceu. Relacionamentos que deixaram a gente com água na boca! Amizades que se tornaram sólidas e permanentes, com cheirinho de saúde e equilíbrio emocional, com cores de maturidade cristã e valores eternos.
Os amigos de Jesus foram pessoas comuns, gente de cheia de demônios e problemas, gente que lutava pelo pão diário e se preocupava com a gripe do filho. Era um povo normal, que sentia dor de dente, que era mal ou bem casado, que ficava desempregado. Simples assim!
Daí um belo dia, “o filho do Zé” cresceu e revelou-se Mestre, Senhor e Pastor.
Muitos dos que creram não receberam apenas salvação, mas tiveram o doce presente da companhia diária, do amigo Jesus, que comia na mesa com eles e dava boas risadas, como um bom mortal.
Nem por isso tiveram arroubos de ciúme santo, de controle do tempo e da atenção do Mestre. Não, não, não! O amor daquelas ovelhas chegou a tal ponto de convicção que se transformou em entrega.
Sim, minhas senhoras e meus senhores, muitos deles morreram por amor ao Salvador tão esperado.
Eita gentinha curada, convertida e madura hein?
2 – Pode produzir loucuras em série tais como:
Ciúme, controle, e a famigerada DEPENDÊNCIA.
É como a grande parte dos relacionamentos que vejo se formarem hoje, infelizmente.
É isso mesmo que vocês leram! Muitos dos laços de amizade entre Pastor e ovelha que observo nos dias de hoje tem cheirinho de desequilíbrio emocional, tem cor de ciúme e valores unilaterais (“eu sendo bem servido, tá bom”).
Os amigos dos Pastores e os Pastores continuam sendo gente normal como aqueles que foram amigos de Jesus. Então, o que mudou?



DE UM LADO: A OVELHA DESORIENTADA
Vejo todo tipo de desastre que vai desde um ciúme da ovelha pela amizade do Pastor, passando por surtos de controle da vida do pobre coitado (ele que tem que estar em posição de sentido a qualquer hora do dia ou da noite) e podendo terminar numa dependência da pessoa Pastoral, como se fosse um ídolo particular!!!
DO OUTRO LADO: O PASTOR QUE SE ACHA
Vejo muito Pastor por aí se colocando num pedestal de:
-homem/mulher ungidissississimo,
-daquele que fala e as coisas acontecem,
-do mito que ora e o milagre é obrigado a comparecer,
-do Moisés da Igreja (Deus só fala com ele).
Até ele acredita nele… e dessa forma permitem serem vistos como infalíveis, supersantos, como o ídolo tão procurado.
MEU QUESTIONAMENTO É:
Será que há como reverter isso?
Será que ainda acordaremos da facilidade do evangelho barato, que promete todo tipo de realizações e que nunca fala de CRUZ?
Será que os ministros do altar romperão com as mais sutis nuances do evangelho enfraquecido, comercial, mercadejado, publicitário, marketeiro e falso que diz:
VENHA PARA ESTA IGREJA RECEBER A ORAÇÃO DE FULANO E DEUS TE DARÁ PROSPERIDADE, FELICIDADE SENTIMENTAL, CASA PRÓPRIA, VIZINHOS SURDOS/MUDOS, CARRO OKm djdntn, nvnvblvmi, nvnvjfngh, mnmça.porjgt……….(???)


Será que os crentes ainda conseguirão ver o Pastor apenas como gente e não como aquele que vai suprir suas carências como:
-a saudade da mãe que morreu,
-a lacuna emocional feita por um pai que foi ausente a vida toda,
-a solidão causada pelo marido que foi embora,
-a falta que sente da atenção do filho indiferente,
-a solteirice, a viuvez, a falta de colegas etc…etc…etc…
MINHA CONCLUSÃO É:
Ema, ema, ema, cada um com seu problema!
Quero dizer com isto que cada um analise-se a si mesmo ou, melhor ainda, ore o Salmo 139:1 porque a prestação de contas será completamente individual.

PERGUNTA: É você a ovelhinha que de vez em quando fica fervendo de raiva porque o Pastor não é o ser biônico que você procurava?
OUTRA: Que vive mudando de Igreja em busca do Pastor perfeito e de irmãos maravilhosos?
MAIS UMA: É você o picareta que se acha o ser com os problemas mais urgentes? Aquele que vive dependendo de visita para caminhar? (só pra ter uma atençãozinha extra, confessa)
LÁ VAI ESSA: É você o Pastor que aceita ser visto como um ser sobrenatural, a quarta pessoa da Trindade? Aquele que fica fazendo política para ser o queridinho da Igreja, o que mais jejua, o que mais ora, o que dá jeito no que outros Pastores não dão?
CANSEI…A ÚLTIMA: É você a pessoa que não quer demonstrar suas fraquezas, que não deixa ninguém perceber seus defeitos, criando assim seus próprios Frankesteins?
Sorry, amados, to fora, já caí dessas nuvens faz um tempo e deixo aqui registrados meu apelo mais sincero para que os relacionamentos à la sanguessuga se tornem relacionamentos simbióticos.

Um comentário:

Carla disse...

Essa eu não tinha lido ainda...que bela postagem...a tal da visitinha é interessante...me explica uma coisa...pq vale visitinha qdo a ovelhinha tá cheia de pele e gordura, mas qdo está tá maginha...tem visita pra ela não fia...tipo...ovelha que tem grana tem uma unção especial...a que naõ tem , tem que levar cesta básica...aí deixa o diácono levar né...se é que tem diácono...pra isso...mardita cegueira.